Cuidado de mãe

Faça as unhas!

Faça as unhas!

Quando nos tornamos mães,  precisamos nos ressignificar enquanto seres humanos,  mulheres,  filhas,  amigas,  esposas,  profissionais …  Nem sempre esse é um processo simples,  nem sempre é automático. Ser mãe é muito mais do que dar à luz e a abdicação que requer vai muito além de adequar agenda,  cronometrar tempo de mamadas ou usar um sling. Eu ainda estou descobrindo o que é ser mãe,  mas desde já posso afirmar que é bem mais do que isso. De uma hora pra outra,  precisamos considerar um monte de coisas,  temos que lidar com situações inusitadas,  nos adequar e nos replanejar constantemente. Quando meu filho nasceu,  passei por muitos problemas (que certamente merecem um post mais específico) que limitaram minha percepção de tantas novidades. Eu não sabia muito bem “ser mãe “,  muitas fichas ainda precisavam cair (e muitas ainda PRECISAM),  então me transformei em um ser “híbrido”, tipo “nem mãe nem filha”,  se é que isso era possível naquela situação hahahahaha. Eu sentia que “vagava” pela casa,  não me reconhecia. O tempo passava e eu não me encontrava em nenhum papel,  em nenhum lugar.

Olhava meus perfumes,  minhas maquiagens,  minhas fotos e sentia uma estranheza enorme – era como se nada daquilo fosse meu,  como se a pessoa nas fotos não fosse eu.

Do fundo do poço onde eu me encontrava,  ouvia uma voz que tentava me orientar nas atividades diárias : a da minha mãe. Eu sempre quis ser – e por muito tempo,  de fato,  fui – muito independente. Naquele momento (e ainda hoje) sentia que não conseguiria fazer nada sem a ajuda dela. Eu precisava ser filha,  acho.

Não vou colocar nada aqui como regra,  falo da experiência que tive/tenho e,  do fundo do meu coração,  espero que vocês estejam em situação muito melhor do que a que eu estava.

Eu precisava de cuidados,  mas não admitia,  não aceitava,  relutava. Precisava de ajuda para cuidar de mim mesma e do meu filho. Dava banho nele,  o arrumava,  mas durante muito tempo era duro demais pra mim ter que fazer mamadeira,  ordenhar leite,  colocar compressa nos seios. Chorava. Olhava para ele,  chorava. Não queria visitas,  queria me enclausurar, me chicotear por ser incapaz de ser a mãe que eu queria ser pra ele.

O tempo passava muito devagar. Foram semanas duras,  muito difíceis. Meu orgulho se misturava com tantos outros sentimentos e eu ficava a cada dia mais longe de quem eu havia sido.

Um dia,  minha mãe me olhou e disse: “Samia,  vou chamar a Mônica para vir fazer as nossas unhas”. Chocada,  chorei. “Mas como??  Eu não posso fazer as unhas!! Quem sou eu pra ter um ‘luxo’ desses?? Não posso,  tenho um bebê pequeno em casa! “. Que sorte a minha que minha mãe não ligou.  Chamou a manicure. Eu relutei,  disse que não pintaria porque o esmalte poderia causar alergia no meu filho. Ela concordou. Eu questionei: “Mas e se ele acordar? “. Ela respondeu: “Não te preocupa. Vamos marcar o horário em que ele dorme melhor. Se,  mesmo assim,  ele acordar, eu cuido dele! ” Eu,  como todo filho,  retruquei: “Mas mãe… ” Rsrsrsrs E ela,  como toda mãe,  me deu aquele olhar de: “Vou chamar a manicure,  tu vais fazer a tua unha e ponto final” Hahahahaha

Fiz. Durante 2 ou 3 semanas eu não pintei as mãos. A primeira vez que pintei,  foi na cor da foto que ilustra esse post. ❤

Mães,  queridas mães,  não quero pra ninguém as dores que eu tive,  nem as dificuldades pelas quais passei. Ao contrário,  quero mostrar que pode ser de outro jeito. Quero mostrar que,  para quem porventura esteja com qualquer tipo de aflição ou problema,  podemos ir em frente.

Meu desejo é que todos sejamos felizes: nós,  nossos filhos,  nossos pais. Mas também quero deixar claro que DIFICULDADES EXISTEM,  SIM!  Se você está passando por alguma,  saiba que não está sozinha. Ser mãe é intenso,  isso sem dúvida. Toda alegria é a maior do mundo,  mas todas as dificuldades também são as maiores,  isso porque não nos permitimos errar com aquele serzinho que é nossa jóia mais preciosa.

Se você,  mãe,  ainda tiver a sua mãe,  permita-se ser filha,  também. Permita que seu filho desfrute da avó /dos avós sempre que possível. Não é vergonha,  não é pecado,  não é feio assumir que precisamos de cuidado. Não é feio admitimos que sentimos falta de alguma coisa ou de algum papel de antes de sermos mães.

Queremos ser as melhores, eu sei. Mas não existe ser humano perfeito – nem as mães.

Com carinho.

Samia-Mãe

Anúncios

Sobre Samia Mãe

Samia, uma mãe com dúvidas e muita, mas muita vontade de acertar. Acredito que conversando sobre as dificuldades, elas se tornam menores e o caminho fica mais leve e divertido.
Esse post foi publicado em Sem categoria e marcado , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Cuidado de mãe

  1. Layla disse:

    É, amiga. Passo por isso de novo… Confesso que acho estranho uma mãe malhando, maquiada, indo ao salão, saindo com as amigas, comprando coisas para si. Ainda não consegui quebrar essa barreira, diga-se de passagem é extremamente necessária essa quebra. Enquanto esse momento não chega, vou cuidando dos pequenos e retardando um pouquinho o meu “eu”.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s