Início

E primeiro post do meu querido blog vai para… Hahahahaha

Ter um filho sempre foi um sonho e quando me vi grávida, eu mal podia acreditar que havia se realizado. Embora o período da gravidez tenha sido tranquilo, me via angustiada com muitas coisas que lia nas redes sociais – mesmo em lugares pretensamente desenvolvidos por e para mães. Lugares que, no meu ponto de vista, deveriam ser cercados de aconchego e acolhimento, revelavam-se cheios de hostilidade. Que triste!

Quando meu filho nasceu, todas as minhas certezas acumuladas ao longo da vida foram por água abaixo! Ele era lindo, saudável e querido por todos, MAS isso não me tornava segura das minhas habilidades (?) de mãe. Cada vez mais ansiosa, eu não conseguia confortá-lo, não sabia porque ele estava chorando. “Que tipo de mãe não sabe (ainda que, por mágica) o motivo do choro de seu filho?”, eu me perguntava.

Confesso que eu tinha muitas ideias formadas por pessoas cheias de certeza, mas que não estavam funcionando para a minha realidade.  A cada novo desafio, me sentia impotente. Amava meu filho mais do que tudo, mas não entendia um monte de coisas que se passavam com ele.

Até aqui, ele tem me mostrado que nem sempre as coisas “tem que ser” de uma determinada forma. Nem sempre. A gente tem uma ideia, tenta, insiste nela. Mas às vezes o ideal para a nossa realidade é outra coisa. Aquela teoria – muito válida, aliás – não se aplica para nós. Sigamos, então, em busca da teoria que nos serve – e se não encontrarmos, mãos à obra na elaboração da nossa própria ideia!

A mensagem que eu gostaria de deixar para iniciar o blog é: cuidado ao falar. Tudo, sempre. Quando estamos grávidas, a impressão que eu tenho é que surge um monte de gente que “sabe tudo” e gosta de desequilibrar as “grávidas zen” e deixar as “menos zen”, ainda mais tristes e aborrecidas. Ainda bem que depois que o bebê nasce isso passa, né? Não. Não passa. Essas pessoas sem noção simplesmente BROTAM na nossa frente, disparando pitacos sobre a nossa vida, nossa forma de agir, nossa alimentação, amamentação, higiene do bebê, escolinha, babá, limites, rotina de sono …  Nossa! Mais do que nunca, as mães tem todo o meu respeito, porque ter que lidar com esse tipo de gente não é nada fácil.

Um ambiente de troca de experiências, de gentileza, de amizade, de desabafos – é o que eu espero para este blog. É com imenso carinho que, hoje, ele nasce. Obrigada, obrigada, obrigada às minhas amigas que me encorajaram. Espero que vocês e outras mamães (e madrinhas, tias, amigas) se sintam à vontade aqui.

Um grande beijo!

Samia-Mãe

Anúncios
Publicado em Sem categoria | Marcado com , , | 6 Comentários

E aí? Quando vem o segundo?

Opção 1 – Não vem.

Opção 2 – Amanhã (ou resposta bem mais absurda)

Opção 3 – Meu marido está trazendo de avião, agendei para daqui a 1 mês.

Opção 4 – Nossa, eu não te contei? Eu tive um problema gravíssimo de saúde no parto do primeiro filho e agora não posso mais ter filhos (com uma cara bem arrasada)

Opção 5 – Estou arrecadando dinheiro pra fazer uma FIV, você gostaria de contribuir com qualquer valor?

Hahahahahahahahaha e um brinde aos freios sociais!!

Já pensaram se a gente fosse tão sem noção quanto esse povo que faz essa pergunta indiscreta? Hahahahahahahaahahahaha

Com ironia,

Samia-mãe

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Tristes Constatações

No meio da jornada, tantas pedras atiradas! Não entendo o motivo, mas é fato de que, mesmo com a linda oportunidade que temos de ser melhores a cada dia, nossas mãos permanecem lançando pedras, nossos dedos permanecem apontados. Mãos que poderiam estar estendidas, que poderiam apoiar outras, que delas precisam. Fico triste.

Notícias pavorosas de guerras, atentados, fome, doença, violência sem limites. O mundo está doente demais – e não é de hoje! E nós, mães, tão ocupadas com nossos afazeres e escolhas diárias, tão voltadas para todas as coisas maravilhosas de nossas vidas, decidimos tirar um tempo para travar guerras, comprar brigas, apedrejar. Voltamos nossas costas a quem está bem ao nosso lado, algumas vezes, pedindo ajuda abertamente.

Eu me incluo nessa estatística triste, em todos os lados possíveis. Jogo pedra, sim. E sinto a dor da pedrada também, claro que sim. Algum leitor poderia concluir: “a vida é essa mesmo, sempre foi assim, sempre será”. É, você pode estar certo. Mas não gosto da ideia de me acostumar com a dor.

Interessante que a gente meio que precisa se certificar que nossa vida é mais dura, é mais puxada do que a dos outros. E aí, a quantidade de filhos que temos, pode ajudar nessa comparação. Uma mãe com “apenas” 1 filho não tem o direito de reclamar de nada! Além de egoísta, ela tem tempo de sobra! As mães de muitos filhos, sim, podem errar. Podem estar cansadas, podem perder a paciência. Elas tem permissão para ser humanas. Essas afirmações não parecem absurdas para você? Para mim, parecem. Ainda que, em tom de brincadeira, não gosto nem um pouco delas, não me sinto confortável.

Parece que vivemos em um tempo onde tudo é apontado e tudo serve como munição para os maldizentes. A vida de todo mundo é corrida, tendo 1 filho ou mais de 1, porque existem outras demandas na vida. Existem aquelas famílias grandes, que se apoiam e existem as famílias grandes em que a lei é a do “cada um por si”. Passamos pelas pessoas na rua, na igreja, na escola das crianças e não temos QUALQUER VAGA IDEIA sobre as lutas que enfrentam. Não sabemos. O meu dia, hoje, pode não estar sendo fácil, pode estar no meu nível máximo de desafio, por qualquer que seja o motivo. Motivo esse, aliás, que, no olhar de outra pessoa, pode ser apenas uma “bobagem”.

Entre amigos, com certeza todos somos alvo de comentários e julgamentos. Em nossa intimidade, usamos a vida alheia como exemplo para conversar, para refletir. Mas seria muito mais proveitoso se tivéssemos sempre a clareza de que, da vida dos outros, só conhecemos recortes. Ter cuidado ao tocar o outro – fisicamente ou com palavras, é o novo luxo desse século. Ter em mente que o outro é um mundo inteiro, que passa por conflitos desafiadores, que tem milhões de preocupações, mesmo que nós não imaginemos, parece surreal – ainda que seja necessário. Julgar pela capa é ainda mais cruel, quando a gente para pra pensar nisso.

Vida real não existe mais. Ninguém é obrigado a se desnudar em lugar nenhum, nem nós. Mas tenhamos clareza de que o nosso vizinho, o pai do amiguinho do nosso filho, também não.

 

Com amor,

Samia-mãe.

 

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Escolinha?

Aos 2 anos e meio, meu filho começou a frequentar a escola. Não gosto do termo “escolinha”, só pra deixar claro. Rsrsrsrs Também para deixar claro, o objetivo da nossa família ao inseri-lo nesse ambiente, não foi que ele aprendesse a contar, escrever ou nada disso. Filho único em uma família de muitos adultos, acreditávamos que ele ganharia muito, em experiência, ao se relacionar com crianças de sua faixa etária e, também, que seria importante começar a dividir a atenção de um adulto cuidador com os colegas.

Mesmo sendo da área e tendo bem claras as minhas crenças, fico impressionada com o salto que ele deu, desde que começou a frequentar a escola. Eu sempre defendi que ir “cedo” pra escola era bom e, hoje, defendo que cada família sabe o que é melhor para a sua realidade. No nosso caso, considero que Miguel começou a frequentar a escola na idade certa, para ele. Nem cedo, nem tarde. Enfrentamos muitos desafios, mas considero que todos foram dentro do esperado e tem contribuído, justamente, para o desenvolvimento dele.

Sou grata, muito grata, pela oportunidade de oferecer ao meu filho o que eu considero importante para ele, dentro daquilo que eu acredito e priorizo. A escola não ensina somente a ele – ensina a todos nós, da família, que não temos uma redoma para guardar nossa criança. Ensina que haverá conflitos e que nossa criança precisará se desenvolver para lidar com eles e resolvê-los, do seu próprio jeito.

Nosso coração fica despedaçado com certas coisas mas nenhum de nós nasceu adulto, todos trilhamos nossos caminhos desde a infância e, só então, chegamos aqui. Cada um tem sua história e nossos filhos terão as deles – longe de nós, vamos aceitar isso rsrsrsrsrs Não é simples, a decisão de escolher escola ou creche, assim como não é simples decidir se a criança ficará com babá ou alguém da família. Quando nos tornamos mãe ou pai e acolhemos a responsabilidade que passamos a ter, todas as decisões que envolvem nossos filhos costumam ser complexas e, muitas vezes, doloridas e carregadas de culpa. Conosco, apesar de termos clareza de a escola seria o melhor que poderíamos oferecer a ele, naquele momento, também foi assim. 

Teve a primeira gripe, a primeira mordida, a primeira birra e a recusa dele em continuar na escola. E como ficam, pai e mãe, nesse momento? Investigamos o que estava acontecendo, conversamos com profissionais e com outros pais (dentro e fora da escola). Respiramos fundo e decidimos que passaríamos por aquilo da melhor forma que, segundo nossas crenças, seria insistindo. Foi a melhor escolha. Faz 8 meses que ele é um estudante e tantas, mas tantas coisas temos (todos) aprendido com ele e com seus companheiros…

Cores, números e quantidades, sinceramente, nunca foram nosso objetivo. Isso, ele aprenderia por si só, quando necessitasse (ou conosco). Mas algo que não podemos ensinar, que foge de nossas mãos, é justamente onde a escola entra. Não temos outros filhos, os primos dele moram longe (e tem suas próprias demandas, obviamente), trabalhamos fora de casa. Quem cuida dele é minha mãe, com quem ele tem uma relação muito especial, é avó dele, mata e morre por ele – assim como eu. Em sala de aula, a necessidade de aprendizado é em outro nível. No nível dos limites das outras crianças (todas e cada uma), no nível do respeito à hora de cada atividade, no nível do dividir a atenção dos adultos. Se alguém não achar que essa experiência é enriquecedora, ok. Mas, para nossa família, é extremamente enriquecedora.

Na Educação Infantil (momento em que meu filho se encontra), a interação com um ambiente externo ao lar, com outros adultos e outras crianças, por si só, já é uma baita “aula”. Sem os pais por perto, maior ainda esse aprendizado. Fora de nossa redoma, fora do nosso controle, fora do nosso olhar. Assustador? Claro que sim! Mas quem aí é adulto e ainda vive totalmente sob as asas dos pais? São muitos os cordões umbilicais simbólicos que temos com nossos filhos e, acreditem, é fundamental cortar todos eles (cada um a seu tempo, obviamente). Nossos filhos não são uma extensão nossa, precisamos ter clareza disso – eles são o que deixaremos para esse mundo.

Com amor e gratidão,

 

Samia-mãe.20170812_082532

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Sobrecarga

Alguém já parou para pensar que, talvez, as expectativas que temos sobre o cuidado e a criação das nossas crianças esteja sobrecarregando os cuidadores?

Explico: existe um ditado,  em inglês,  que diz mais ou menos assim “é preciso de uma cidade inteira para criar uma criança”. Entre povos indígenas,  ao nascer, o bebê recebe cuidados de toda a tribo e o pequeno índio,  no decorrer de sua vida, recebe dos homens e mulheres mais experientes da tribo, as orientações de que precisa para fazer seus rituais de passagem, de forma a se tornar um deles.

Mas na nossa modernidade não cabem essas formas de comportamento. De jeito nenhum. Quem pariu Mateus que o embale. Na nossa modernidade,  a mãe é a total responsável por suprir todas (e mais algumas) as necessidades do bebê – da criança – da família. Cabe a ela dedicar-se 24h/dia aos filhos + à carreira + à casa + à  família. Cai sobre ela, inclusive,  a responsabilidade por reacender a “”””””chama da paixão “”””” em “seu” casamento.  O marido/companheiro não pode se sentir deixado de lado.

Mas vamos ponderar? Quanto desse peso a gente deixa colocarem nos nossos ombros? Quando alguém oferece ajuda, a gente aceita (ou nos “””””orgulhamos””””” de dar conta de tudo sozinhas)?

Até que ponto aceitamos dividir o trabalho? Talvez tenhamos aprendido a romantizar essa sobrecarga em prol de levantarmos a bandeira da Mulher Maravilha – e vestirmos a camiseta.

Essa reflexão é para todas, mas tenho a clareza absoluta que muitas mães não tem, de fato,com quem contar. Meu convite especial à reflexão é para aquelas que, tendo mãos estendidas em sua direção,  não se sentem no direito de aceitar ajuda. Sentem-se exaustas, irritadas,  mas não conseguem dividir tarefas porque aprenderam que mulher tem que ser guerreira,  tem que dar conta de tudo.

O primeiro passo da mudança começa em nós.

Com carinho,

Samia-mãe

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Comemorar e agradecer

Hoje estamos de “mesversário”. Há 2 anos e 5 meses, chegava meu filho, meu menino, meu mestre, agente transformador das nossas vidas. É bem verdade que, assim que completou 1 ano, deixamos de fazer aquele “bolinho” mensal para comemorar sua chegada, mas jamais nos esquecemos da importância que ele tem tido para todos nós.

Essa idade (2 anos e 5 meses) nada tem de “cabalística”, assim como não houve nenhum evento especial que pudesse ter me dado essa injeção de gratidão, mas o fato é que hoje, 06 de dezembro de 2016, sinto meu coração se encher, ainda mais, de amor, gratidão, alegria e todos os melhores sentimentos.

Assim que ele nasceu, fui atacada por amor de todos os lados, tive várias mãos estendidas, tive colo, tive muitas alegrias. Preocupações, angústias, medo, dedos apontados, laços desfeitos também. Foi uma enxurrada dos mais intensos sentimentos e, até hoje, a vida é cheia disso, de todos eles. Vê-lo levantar, dar sua primeira gargalhada, pegar a mamadeira pela primeira vez, falar sua primeira palavra (um sonoro “não” hahahahaha), tudo isso é cercado das mais intensas sensações. Hoje teve consulta de rotina com a pediatra, ele sentou sozinho na cadeira à frente dela, conversou, disse o que sentia, disse por que não estava comendo direito, só de lembrar, meus olhos se enchem de lágrimas.

É como se eu esquecesse das experiências mais dolorosas, de como cada decisão que preciso tomar me coloca em xeque com muitas variáveis. Hoje é quase como se nada doesse. Hoje as lembranças são somente as doces – ou melhor, as lembranças tem todos os gostos, mas apenas as doces tem importância. Hoje o choro é de alegria, o amor infinito mas que ainda encontra pra onde crescer.

Hoje, às 15h44min eu renasço como mãe daquele menino que chegou me mostrando que não é feio pedir ajuda, que não é feio assumir minhas limitações e que, sobretudo, amar é o maior e mais intenso desafio. Uns dizem que é escolha, não sei, o que eu digo é que amar não é fácil, mas é só o que vale a pena.

Descobri e descubro, diariamente, muitas cores, muitas palavras. Surgem rugas de tanto sorrir ao redor da minha boca, brotam lágrimas, a todo instante, dos meus olhos. Nascem dúvidas constantes na minha cabeça, as perguntas, os prós e contras das escolhas… tantas escolhas diárias! Mas ser mãe, no meu mundo, é assim mesmo.

Feliz 2 anos e 5 meses para todos os envolvidos nessa grande aventura!

Com amor,

Samia-mãe2a5m

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Na conta do filho

Eu tenho me questionado, cada vez mais, sobre esse laço que nos ata de maneira tão forte e definitiva com nossos filhos. É um laço que, vejam só, está mais em nós mesmas do que neles. Explico: muito se diz que o filho tem que cortar o cordão umbilical, interpretado como “tem que ir pra escola”, “tem que ir dormir na casa de um amigo”, “tem que ir morar sozinho”, essas grandes transições da vida. Mas eu não ouço muitos comentários sobre a mãe (vou falar “mãe” porque é isso o que sou, mas quem for pai, tio, avó e se identificar com o que vou escrever, fique inteiramente à vontade) se revisitar, sobre a mãe fazer escolhas pensando em si mesma, sobre a mãe viver sem “estar conectada” a esse filho. Será que é possível para uma mãe fazer escolhas pensando no seu próprio bem estar? Hm…

Minha divagação de hoje é, também, uma implicância. Implicância contra mim mesma, diga-se de passagem. Por que raios as mães tem que colocar o filho no centro de tudo? Tudo o que elas escolhem, sempre tem que vir junto com a justificativa: “é melhor pro fulano” ou “ele prefere assim”. E, gente, vamos combinar, nem sempre isso é verdade. Admitir que você usa sling ou canguru porque é mais prático PARA VOCÊ, porque pode realizar algumas tarefas do dia a dia utilizando as duas mãos não vai fazer de você uma pessoa egoísta. Assumir que você parou de amamentar porque estava desgastada, não te torna a pior mãe do mundo. Admitir que contratou uma babá ou colocou o filho na escola porque você queria trabalhar fora não te leva pro inferno. E mais: admitir que você GOSTA DE TRABALHAR FORA também não vai fazer você passar a eternidade queimando no mármore. Tá bom?

Eu imagino que a gente tenha sempre em mente o bem estar dos nossos filhos, mas valorizo a verdade em todos os âmbitos, inclusive se a gente for pensar em educar pelo exemplo. Pra quê construir castelos que, sabemos, irão ruir? Pra quê sustentar uma “verdade”, em vez de dizer A VERDADE? Eu luto diariamente contra a ideia de que a mãe é um ser iluminado, acima do bem e do mal, perfeito, divino. Mãe é uma mulher imperfeita, como as demais. É alguém que ama muito, mas comete erros. É alguém que muitas vezes está privada de sono, está com fome, está sem dinheiro, precisa de lazer. E mesmo assim tem demandas que não podem ser adiadas. Em algum momento, toda a abnegação pesa. E não é raro que isso aconteça e a gente veja aquelas mães desgastadas, muitas vezes agressivas, “sem paciência pra choro de criança”. Vamos encarar: mascarar nossas necessidades e desejos não nos torna “mães melhores”, apenas nos deixa mais sobrecarregadas. E será que a gente precisa de mais essa? Eu não.

Com amor, da sumida

Samia-mãe.sm

 

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Mãezinha

Mãezinha,  vamos lá: diga-me quais objetivos irreais você irá perseguir hoje?

Quais metas você,  conhecendo como ninguém a sua realidade,  vai estabelecer – e se frustrar ao final do dia?

Veja bem, mãezinha,  é importante procurar ser,  a cada dia,  melhor do que você foi no dia anterior. É importante não somente para o seu filho,  mas para você  (que,  aliás,  não deixou de existir depois que ele nasceu,  pare de tentar negar isso). É importante, no entanto,  ser realista e estabelecer suas metas de acordo com o que é viável PARA VOCÊ.

Especialistas em “criação de filhos” tem aos montes. Tanto os palpiteiros das redes sociais como aqueles diplomados Doutores em educação /desenvolvimento humano / etc e tal. São doutores,  com certeza eles sabem do que estão falando. Via de regra,  mãezinha, eles dizem que seu filho precisa de você,  exclusivamente de você. Dizem que somente o leite que sai do seu peito é suficiente. Então você começa a perseguir esse ideal – custe o que custar. Algumas vezes,  mãezinha,  você faz isso mecanicamente,  ou sem qualquer sensação de prazer ou,  ainda,  sem o mínimo sentimento de “plenitude”,  que esses entendedores garantem que você sentirá.

20160710_160923

Eles também costumam dizer que,  ainda que pareça contraditório, o pai da criança precisa se envolver com os cuidados desde cedo,  que o papel do pai é fundamental para o desenvolvimento de muitas estruturas cerebrais,  especialmente nos primeiros anos de vida. Você passa a perseguir o ideal de “pai perfeito” – ainda que o pai do seu filho não demonstre interesse,  ainda que,  inclusive,  vocês não morem mais juntos e você nem ache que ele é uma excelente influência para seu filho. Tudo bem,  tudo para as melhores condições de desenvolvimento para seu pequeno. O problema surge quando você acha que “fracassou”- ainda que isso não dependa de você,  ainda que dependa somente da vontade do pai (que parece não ter vontade alguma). Não depende de você mas você se culpa. Às vezes,  mãezinha,  você não escolheu de forma consciente um determinado cara pra ser o pai do seu filho,  apenas aconteceu. Falta de cuidado de ambos,  mas a culpa recai sobre você.

Mãezinha,  e o que dizer sobre sua vida profissional? Os doutores e os “doutores” são categóricos: a criança precisa estar no seio da família,  sendo cuidada pela mãe. Mas você precisa trabalhar fora. E agora,  mãezinha? Vai contratar uma babá? Vai deixar com a avó? Vai colocar numa creche? Não importa,  porque fazendo qualquer uma dessas coisas,  você estará “terceirizando” a criação do seu filho. Até um tempo atrás,  falava-se de um tal de “tempo de qualidade”, mas isso também já não existe mais,  agora o que vale é você passar o tempo todo com seu filho. Tempo de qualidade é coisa pra diminuir a culpa de pai/mãe preguiçoso e egoísta que põe filho no mundo e não quer “se consumir” com ele.

Mãezinha,  qual vai ser o aspecto que você vai escolher para se sentir culpada hoje? São tantos ideais-irreais-utópicos-fantasiosos que esses doutores escrevem que fica muito fácil “falhar”. Quantos desses doutores aplicaram tudo o que escreveram com seus próprios filhos, mãezinha? Se conseguiram,  é certo que não dormiam,  porque aqui no planeta Terra o dia de todo mundo tem 24 horas e,  considerando todas as pós graduações que eles tem,  toda sua produção cientifica,  todos os grupos de pesquisa que coordenam,  não sobra lá muito tempo para se dedicar aos filhos.

Ou será,  mãezinha,  que eles se dedicaram ao mais fácil dos ofícios : estudar a vida alheia e propor milhares de intervenções baseadas em colchas de retalhos de teóricos diferentes  (que não conheciam todas as facetas das realidades sobre as quais escreviam)?

Mãezinha, você é pós doutora na sua realidade. Você é quem sabe o que é possível fazer com o instrumental que tem. Cada escolha,  uma renúncia,  sempre. Claro que sim. Ter filhos significa mudar de vida. Mas a direção e a intensidade dessa mudança,  somente quem está ali,  roendo os ossos,  é que pode dizer.

Com carinho,

Samia-Mãe

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , | Deixe um comentário

2 anos

Há 2 anos, nasci como mãe. Se fizer uma retrospectiva, tanta coisa mudou (dentro e fora da minha cabeça). Bora listar?

2014 – “Quero ter mais 2 filhos”

2016 – “1 filho está ótimo”

2014 – “Mãe tem que fazer tudo sozinha. Quem pariu Mateus, que o embale!”

2016 – “A gente não faz nada sozinho, nem nosso próprio filho, fizemos sozinhas” Quando temos a oportunidade de pedir ajuda, é uma delícia e isso não nos diminui enquanto mães. Pedir ou mesmo aceitar ajuda (sim, porque tem quem não aceite), seja pra simplesmente comer com mais sossego ou pra poder tirar um cochilo nos torna mais humanas. Mãe é ser humano, não super heroína.

2014 – “Amamentar custe o que custar”

2016 – “Amamentar, sempre que possível. E só quem sabe o limite do possível é a mãe”

2014 – “Criança na frente da televisão, jamais!”

2016 – “Televisão pode ser uma mão na roda”

2014 – “Escola? A partir de 1 ano”

2016 – “Escola a partir de 2 anos”

2014 – “Papinha é coisa de gente preguiçosa”

2016 – “Papinha, comida igual à nossa, em pedaços, sopa, da forma como ele aceitar. O importante é comer o mais saudável possível”

2014 – “Comer escondido do filho é um absurdo!”

2016 – Samia comendo pimenta biquinho escondida do filho

 

2014 – “Criança não é um mini adulto”

2016 – “Criança não é um mini adulto”

Algumas coisas não mudam, afinal… rsrsrsrs

Amor que só cresce, responsabilidade que só cresce.

Com carinho,

Samia-Mãe

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Essa sou eu – este é você

Hoje a reflexão é breve – ou melhor, pode ser demorada, mas será exposta de forma breve.

No esforço de “dar o melhor” para nossos filhos, muitas vezes nos perdemos de nós mesmas. À medida em que eles crescem, vão entendendo que são pessoas separadas de nós – isso é, inclusive, um marco no desenvolvimento deles. Mas, fica aqui a dúvida, quando é que nós mães entendemos que nossos filhos são seres humanos separados de nós?

diseno

O choro, o desconforto, a irritação – deles ou nossa?

O brinquedo, a viagem, a festa de aniversário – necessidades deles ou nossas?

Próximo passo, depois de refletir sobre essas questões, é: quais sonhos são meus? Que expectativas eu tenho sobre a vida? Essas expectativas dizem respeito a quem?

Um bom final de semana – posto aqui o que eu mesma necessito ler e refletir sobre.

Sempre com muito carinho,

Samia-Mãe

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Projetos (ou Realização Pessoal)

Não questiono os objetivos de ninguém. Acredito,  sim, que muitas mulheres vêem a maternidade como o ápice da realização de suas vidas. Crêem que nasceram para ser mães e encontram,  após o nascimento de seus filhos,  sua melhor versão,  sentem-se plenamente realizadas. Acredito firmemente e admiro muito cada uma dessas mulheres. Acho que nada pode ser mais altruísta do que viver toda essa abnegação que ser mãe exige e alcançar,  justamente nesse estilo de vida,  a felicidade.

Eu sempre quis ter filhos (no plural) e sempre me vi como aquelas mães que dão conta de tudo,  incluindo carreira,  filhos,  marido,  estudos,  sem descuidar da maquiagem,  depilação, retoque de raiz rsrsrsrs. Ocorre que a vida é uma caixinha de surpresas rsrsrsrs e cá estou,  somente 1 filho e sem dar conta direito de nada do que listei acima. Que ironia! Provavelmente eu não tinha a menor noção do que aconteceria comigo depois da chegada do meu filho. Ele já está com quase 2 anos e eu tenho a impressão de que muita coisa ainda vai mudar!

Aos poucos  (beeeeeeeeemmm aos pouquinhos mesmo),  sinto que algumas das coisas que eu gostava de fazer antes de ser mãe estão voltando a ser realidade na minha vida. Sigo muitos blogs de mamães famosas e fico me perguntando como elas conseguem fazer tanta coisa e estar sempre impecáveis. Emagrecem,  voltam ao corpo de antes,  malham,  fazem pilates,  viajam (com e sem os filhos),  estão aí,  desenvolvendo mil projetos pessoais além da maternidade.

Sim,  é claro que devem ter babás. Não condeno. Deixam filho e vão resgatar desejos de quando ainda não tinham. Gostaria de propor uma reflexão,  especialmente para você que acha um absurdo que uma mulher queira ter um tempo para si mesma depois de ter filhos: até que ponto nos deixamos desaparecer completamente,  nos anulamos totalmente após sermos mães? E até que ponto isso faz bem para nós? E,  para muito além dos resultados imediatos,  até que ponto toda essa renúncia fará bem para nós enquanto mães? Vamos pensar com cuidado e carinho,  vamos tentar nos colocar no lugar das mulheres que fazem a opção de retomar suas vidas. Sigo uma mãe que é atleta profissional. Quantas horas por dia ela precisa se dedicar exclusivamente ao esporte? Sigo outra que é atriz e apresentadora. Seu trabalho não encerra quando as gravações da novela ou do programa acabam,  pois pela natureza dessas atividades,  há muito a fazer antes e depois. Seria condenável que uma mãe desejasse algo para sua satisfação pessoal,  individual,  intransferível?

20160311_113900

Listo,  a seguir,  algumas coisas que eu gostaria de fazer,  mas que no momento não me sinto em condições,  por motivos de: culpa.

1.Voltar a estudar francês

2. Praticar atividade física

3. Sair de casa sempre maquiada

4. Ir com mais frequência ao salão de beleza

5. Ir com mais frequência ao cinema

6. Estar com minhas (pouquíssimas) amigas

7. Fazer viagens de casal

Não me julguem. Ou melhor: julguem,  sim! Julguem com toda a força de seus corações. Mas julguem “valendo”! Depois que terminarem,  respirem e tentem fazer o exercício da empatia. Mas tentem com toda a força que usaram para me julgar. Depois me contem. Ou não. Apenas tentem fazer esse exercício e imaginem quantas outras mães comungam da mesma opinião que eu. E tentem dar as mãos a elas.

Com muito carinho, Samia-mãe

Publicado em Sem categoria | Marcado com , , , , , , | 2 Comentários